Sobre Nós

Museu Zer0

Partindo da iniciativa do Instituto Lusíada de Cultura-ILC, associação sem fins lucrativos fundada em 1982 e declarada de utilidade pública em 1991, preconiza-se a criação de um Museu dedicado às artes digitais, reabilitando uma parte significativa das instalações da Cooperativa Agrícola em Santa Catarina da Fonte do Bispo, numa zona rural bem conhecida de transição entre o barrocal e a serra algarvia.

O grande desafio, e aposta, parte exatamente do contexto onde se fará esta intervenção ( instalações industriais abandonadas, num território ainda sobretudo agrícola, em vias de desertificação, mas onde permanecem vivos extraordinários aspetos e valores da etnografia, cultura e património algarvios) e da ambição de o transformar num centro dedicado à produção artística que projetará o Algarve e Portugal a nível internacional.

Partindo da mobilização de capitais próprios e apoios comunitários, temos contado com o envolvimento e apoio de inúmeras entidades e personalidades europeias, nacionais e da região algarvia, na recolha de propostas e desafios, que nos ajudaram no desenho da solução de reabilitação e adaptação de antigos armazéns de cereais, em novos espaços, claramente muito polivalentes, dedicados à criação, apresentação e fruição de obras de arte digital.

Propositadamente, não o preparámos para acolher determinado acervo ou tipologia específica de obras, tendo sim apostado na sua infraestruturação e equipamento, ao serviço do que de mais moderno e inovador seja hoje possível, em Portugal, de se produzir e apresentar, através das tecnologias mais avançadas que hoje em dia suportam a criação e a produção artística, em arte digital. O nosso acervo será, portanto, o resultado das obras que aqui, ou para aqui, vierem a ser produzidas, não descurando, de modo nenhum, as oportunidades que se nos abrirem, no curto prazo, a nível nacional, e internacional.

Os nossos parceiros serão, desde as entidades públicas e associativas de maior relevância, para as artes digitais, no Algarve, como também a nível nacional, mas sobretudo as parcerias que conseguirmos alavancar junto dos museus europeus, já hoje existentes a nível europeu, e com quem estamos já a trabalhar.

Para a sua instalação e funcionamento iremos naturalmente contar de forma muito particular com os conhecimentos e competências existentes a nível internacional, nacional e regional, sendo também considerada de extrema importância a adesão e reconhecimento por parte da população residente e visitantes, pelo que iremos agora avançar com algumas iniciativas de sua apresentação e divulgação, envolvendo todos esses públicos, através de um plano de eventos e iniciativas comunicacionais e promocionais.

O Conceito principal em que assentará este Museu será a criação de um lugar de representação física de obras de arte de carácter digital. Essa materialização passará pela partilha (das obras ao público), mas também pela hospitalidade (acolhimento dos artistas residentes). Não pretendemos, no entanto, assegurar a apresentação de um conjunto de obras predefinidas, ou determinada área artística, mas desafiar sim criadores, artistas, centros de investigação, museus e universidades ( nomeadamente a Universidade do Algarve) a nos proporem projetos muito inovadores, e que nos deem visibilidade, pela sua originalidade e valores estéticos, a nível internacional.

Queremos, sobretudo, ser um elemento de orgulho para a região, num processo de forte afirmação e reconhecimento internacional. Preconiza-se, pois, a produção in situ de obras de arte, concebidas em função dos espaços expositivos existentes, suportadas por tecnologias que permitam explorar todas as potencialidades associadas aos domínios do digital. As obras apresentadas serão, portanto, site specific (diretamente concebidas para serem exibidas nos espaços deste museu, muito fortes em termos estéticos), mas também oriundas de acervos de outros museus internacionais.

O Museu Zero assentará também de uma forma muito singular no território onde será instalado. Antes de mais, pela sua localização no conjunto agrícola dos silos, que se destaca incontornavelmente como landmark. O conceito museológico em presença visa a exploração de processos de hibridação do espaço: a busca de uma continuidade entre paisagem, arquitetura e arte.

A Equipa

João Correia Vargues
Comissão Executiva
Mónica Felix
Comissão Executiva
Miguel Teixeira Pinto
Comissão Executiva
Joana Carmo
Serviço educativo, públicos, e Artes

Contacte-nos

Para mais informações, contacte: geral@museu0.pt ou preencha o seguinte formulário. Iremos entrar em contacto consigo.

Subscreva à nossa newsletter

Usamos cookies para oferecer a melhor experiência on-line. Ao concordar, aceita o uso de cookies de acordo com nossa política de privacidade.

Privacy Settings saved!
Configurações de privacidade

Quando visita qualquer site, pode guardar ou recuperar informação no seu navegador, maioritariamente na forma de cookies. Controle as suas configurações de cookies deste sítio aqui.

REJEITAR TUDO
ACEITAR TUDO